O 2º dia da Semana do PESC (30/outubro) também teve a presença de admiráveis provocadores: Roberto Mourão do Instituto EcoBrasil, Beto Mesquita da Conservação Internacional, Marcelo Barreto do INEMA/Gestor do Parque, Maria Cristina Tita do INEMA/DIRUC, Robson Santiago do INEMA/DIRUC, Pedro Henrique Cardoso do INEMA/DIRUC, Rosilene Vieira da SEMA do Espírito Santo, e Marina Minari da ONG Circulah.

A galera da Co-CriarThomas e Narjara estavam lá facilitando o fluxo do dia; também sairam ônibus que transportaram estudantes, moradores da região e participantes do evento, para conhecerem o Parque do Conduru!

No 1º dia da Semana do PESC a tarefa foi construir a linha do tempo do Parque (contar a sua história desde antes dele existir até os dias atuais). Já no 2º dia, o foco estava no "sonho". Que Parque nós sonhamos? Como é o Parque dos nossos sonhos? Que Parque gostaríamos de ter?

Agora, vamos contar, "mostrando" pra vocês, o que aconteceu nesse 2º dia da Semana do PESC!

cpia

O dia iniciou com uma grande roda de compartilhamentos! Um momento onde todos aqueles que, no dia anterior, participaram das vivências oferecidas pelo grupo das Jornadas de Aprendizagem Holística na visita ao PESC, puderam expressar livremente, através da linguagem do coração... Falando, cantando, exclamando e mostrando tudo aquilo que a floresta lhes transmitiu.

30_10_5

Depois da roda de compartilhamentos da floresta, rolou uma coisa que tem o nome de "Café do Conhecimento"!

30_10_15

Pra abrir o "Café do Conhecimento", um dos provocadores do dia, Robson Santiago (INEMA/DIRUC) ofertou uma linda e inspiradora canção pra gente... "quem hoje é vivo corre perigo..." Salvem as florestas!

 30_10_6

O "Café do Conhecimento" foi o seguinte:  Pra gente sonhar sobre o Parque, a gente precisa entender um pouquinho como um Parque funciona. Então, esse "Café" nada mais foi do que abrir vários espaços, ou mesas de conversas, por onde os participantes do evento puderam circular, e se informar, a respeito de alguns assuntos, ou tópicos, que se relacionam com a gestão de um Parque, ou de uma Unidade de Conservação. Olha aí alguns dos convidados "provocando" o grande grupo com os temas iniciais.

30_10_14

Esse aí é o Pedro Henrique (INEMA/DIRUC) abrindo a mesa da "relação com o entorno". Qual é o papel social de um Parque?

 30_10_16

Marcelo Barreto (INEMA/Gestor do Parque) e Beto Mesquita (Conservação Internacional) abrindo a mesa de "gestão": Quais são as ferramentas de gestão de um Parque?

 30_10_11

Robson Santiago (INEMA/DIRUC) provocando: O que é regularização fundiária?

 30_10_10

Roberto Mourão (Instituto EcoBrasil) provocando: O que é uso público?

 30_10_12

Marina Minari (ONG Circulah) provocando: Como é que se faz gestão participativa?

 30_10_13

Maria Cristina Tita (INEMA/DIRUC) e Rosilene Vieira (SEMA/ES) provocando: Qual é o papel da educação ambiental na Unidade de Conservação?

 30_10_17

Na circulada entre uma mesa e outra, uma paradinha pra conhecer o futuro espaço que vai abrigar o "Centro de Informações do PESC". Lembrando que o projeto está recebendo doações de materiais que contam a história do Parque!

 30_10_18

Ao final do "Café do Conhecimento", os provocadores dos temas trouxeram para o grande grupo a colheita das principais perguntas levantadas pelos participantes.

 30_10_19

Enquanto isso, olha os estudantes registrando tudinho!

 30_10_20

A galera perguntou foi coisa viu?

 30_10_21

E também deram muiiiitas sugestões!

 30_10_23

Quem disse que regularização fundiária era difícil de entender?

 30_10_24

Olha só onde entra o "plano de manejo" do Parque! É uma ferramenta de gestão. Tá vendo? É fácil de entender.

 30_10_25 

À tarde, chegou o momento de imaginar o Parque que sonhamos! Então, pra gente entrar no clima, Leonardo (Casa da Economia Solidária) nos ofereceu um conto sobre o sonho, ao som da canção da flauta doce.

 30_10_26

Para pensar sobre essa provocação, rolou outra coisa que nós chamamos de "Café da Roça"!

 30_10_27

O "Café da Roça" nada mais foi do que formar grupos de sonhadores.

 30_10_29

Dessa maneira, grupo a grupo, através de um descontraído bate-papo, o sonho foi sendo desenhado.

 30_10_30

Gente de vários segmentos e correntes sonhando o Parque do Conduru.

 30_10_31

Idéias se cruzando e compondo o Parque dos nossos sonhos.

 30_10_32

Deixando as sugestões fluírem...

 30_10_33

...com todas as cores e formas que couberem no sonho.

 30_10_34

Depois, chegou a hora de todos os grupos apresentarem o Parque dos seus Sonhos.

 30_10_35

Cada grupo, um sonho. Cada sonho, um Parque.

 30_10_36

Todos trouxeram para a grande roda o Parque idealizado.

 30_10_39

E assim, aos poucos, ao final de todas as apresentações, todos também puderam perceber que os sonhos guardavam semelhanças e, muitas vezes, traduziam desejos coletivos.

 30_10_49

Ao final do trabalho dos sonhadores, Rosilene Vieira (SEMA/ES) nos ofertou um conto que, de tão rápido que era, provocou longos sorrisos.

 30_10_41

Mas, o 2º dia da Semana do PESC não terminou por aí. À noite, no Espaço Box rolou uma apresentação da Casa da Economia Solidária para os participantes e convidados do evento.

 30_10_42

Um momento bem especial, onde todos puderam compartilhar essa nova proposta que está chegando por aqui, e promete formar uma "rede solidária de consumo". Coisa boa!

 30_10_43

O melhor veio depois! Todo mundo seguiu para uma visita à Casa da Economia Solidária onde rolou um banquete ofertado pelos produtores locais!

 30_10_44

Teve música...

 30_10_45

...que todo mundo, de tudo quanto é lugar, curtiu!

 30_10_46

Aí chegou a hora de degustar as delícias dos produtores locais.

 30_10_48

Cada prato foi elaborado por um produtor local! Bolos, patês, pães, doces, geléias, bebidas e outras coisas mais!

 30_10_47

Casa da Economia Solidária cheia de gente, fartura e alegria.

 30_10_04

E assim foi o 2º dia da Semana do Parque Estadual da Serra do Conduru!

Em breve, contaremos pra vocês como foi o terceiro dia! Aguardem!

 

Traduzir página

Topo